Sábado, 5 de Setembro de 2009

Fernando Pessoa

Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.

Nunca amamos ninguém. Amamos, tão-somente, a ideia que fazemos de alguém. É a um conceito nosso - em suma, é a nós mesmos - que amamos. Isso é verdade em toda a escala do amor. No amor sexual buscamos um prazer nosso dado por intermédio de um corpo estranho. No amor diferente do sexual, buscamos um prazer nosso dado por intermédio de uma ideia nossa.

 

publicado por Maria Glaene às 19:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

. Fernando Pessoa

.arquivos

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Fernando Pessoa

. A Corrente Da Felicidade

. Amiga Maldita

. Escolhe

. Eco da Vida

. Consertei o Mundo

. Milho Bom

. A piscina e a cruz

. Anos dourados...

. ***De todas as coisas que...

blogs SAPO

.subscrever feeds